Pular para o conteúdo principal


Eu sempre fui uma pessoa muito sensível. Muito mesmo. Que se emociona com coisas ditas pequenas. Que vê os detalhes, as minúcias, as dobraduras das flores e das palavras. 
Eu passei um tempo considerável me autodefinindo frágil por conta dessa sensibilidade. Frágil como sinônimo de incapaz, de oposto de forte. Hoje, eu sou capaz de olhar para mim e aceitar todas as minhas marcas, e, mais do que isso, eu chego a gostar de mim, e vejo que quando fui (e sou) sensível, é que sou forte. Eu descubro na minha "fraqueza", a força. Ser sensível me individualiza, me faz de mim essa pessoa que eu sou: apelando para a beleza e para o amor como únicas e possíveis rotas de fuga e cura. Sim. Eu sou sensível. E aprendi a lidar com isso de uma forma bonita e autoindulgente. E sou (e me faço) a cada dia mais forte e mais feliz (quase sempre dá). Sigo sem perder a minha ternura, sigo com a minha sensibilidade que já me deu dias horríveis, mas que já me deu muitas alegrias também. Abraço minha sensibilidade, abraço minha força. Abraço quem eu sou inteira. Com bastante coragem e ousadia. "Eu sou forte" - digo pra mim. Eu sou sensível. Eu não sou perfeita nem jamais serei: isso me faz relaxar e me ocupa com a tarefa incrível de ser quem eu sou. A vida te obriga a ser forte, mas só o AMOR dá sentido a essa força. Eu estou florescendo.
🙏💝🌱🍃
🚩 Na foto com Marina, sendo sensível e forte.
🚩 Estamos bem perto de voltar pra casa. Com a graça de Deus!
🚩 O paradoxo é: enquanto eu cuido dela, ela me cura.
🚩 Enquanto nos amamos, Deus nos cura.
💝💝💝💝💝
#DeuséAmor #DeusNosGuarda #AndamosEmAmor#EuSinto #MarinaLinda#EndurecerSemPerderATernura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…