Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

Detonando em 3, 2, 1...

Por Sibéria de Menezes


Explosão é multiplicação, é divisão. Explodir é extremamente necessário e vital. Dizem que o mundo, este mundo, nasceu de uma explosão. E o que somos nós, senão uma explosão ambulante? É preciso arranjar uma forma de explodir – de amor, de ódio, de tesão, de ternura, de revolta, de literatura. Explodir é não caber mais em si, é não se rodear pelas mesmas margens e definir um novo contorno, borrado ainda pela “imatureza”. Quer saber? Exploda-se! Multiplique-se em mil pedacinhos, estraçalhe-se, divida-se e, recomponha-se, arranje outro jeito de estar aqui, sente-se do lado oposto, ouça uma nova canção, reinvente-se para encher-se de outras certezas e, quando não couber mais andar com elas... saiba – é tempo de uma nova explosão. Corte os cabelos, jogue-os para o outro lado, tome o ônibus errado de propósito, diga que hoje NÃO ou diga que hoje SIM. Derive-se. Crie-se. Conjugue-se. Exploda. Ouço o barulho ao redor. Está tudo a explodir a todo instante: o casulo, os raios …

Num tem mais matuto, não!

Matutos do mundo todo, encangai-vos!

(Por Sibéria de Menezes)

Não se engane, cosmopolita vindo de qualquer lugar, vez por outra, seremos capazes de uma incrível “matutagem”. Desobrigue-se de saber de tudo, bichim. Eu sou dada, naturalmente, a atitudes bem matutas: parar em frente a escadas rolantes pensando se arrisco-me ou não, olhar como os outros se comportam no McDonald's, achar esse negócio de fast food uma coisa horrível de se comer... entre outras atitudes e gostos.
Pois bem, estava eu (e minha irmã) no Parque de Exposição do Crato, no ano passado (2012), me achando quase uma nova iorquina, comprando um centro de madeira lindo para a minha casa. Eis que... percebi que não havia levado o tal do cartão de crédito. No seu lugar, só aquele cartão que costumo de chamar “cartão de tirar o dinheiro do banco”. E agora? Com aquela astúcia que só coube a mim, tive imediatamente a seguinte ideia (detalhe, em pleno meio-dia): “Vou ao banco, faço um saque e volto para compr…