Pular para o conteúdo principal

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as calcinhas tão difíceis de ir embora. Mas não vou dar nomes.
Eis algumas formas: enrolar num papel e jogá-la na lixeira do banheiro, picar de tesoura e amarrar num saquinho, depositando-a depois no lixo comum, amarrar para depois colocar na lixeira do banheiro, lavar antes de jogar fora, atirar diretamente na lixeira do banheiro, mas colocando algum disfarce por cima... gente! Tanta técnica prá separar-se da calcinha-um-pouco-velha que fiquei impressionada. Sou capaz de dizer que existem muito mais técnicas para isto “do que julga a nossa vã filosofia”. Fora a graça, isso tudo me faz refletir um bocado sobre a personalidade feminina (Ainda não sei o que os homens fazem com suas cuecas velhas).
Vejam só, de roupas a gente se desfaz numa boa (come on, de algumas...) mas das calcinhas não, elas são sagradas. Elas carregam a nossa inteira personalidade e intimidade e história. Elas são capazes de dizer quase tudo sobre nós. E se são velhas, o negócio se complica – é como se toda a nossa volúpia tivesse acabado, estivesse assim como a calcinha, que jaz morta, gasta, frouxa, sofrida. As calcinhas novas sempre nos dão um novo ânimo. Pergunte a qualquer mulher! Comprar calcinhas novas e vesti-las é sempre bom. Todas nos sentimos renovadas se estamos com a roupa íntima em dia, novinha. É como um banho revigorante depois de um dia de cão.
Jogar fora calcinhas-um-pouco-velhas será sempre um horror, algo que faremos de tudo para não visualizar, por isso as enrolamos, as escondemos, disfarçamos das mais variadas formas para não ver a nossa intimidade rolando por aí e para mal-disfarçar a nossa separação delas. Faremos de tudo para que os outros não saibam que dentro de cada uma de nós existe algo que não se deve revelar, não necessariamente feio e velho, mas, íntimo, inviolável, impartilhável.
Um pedaço de nós vai junto com esse lixo tão emocional, que são as calcinhas velhas. Ainda depois de tantas palavras, continuo com uma dúvida cruel: o que fazer com elas, hein? Uma dúvida só não – várias. Por que tanta dificuldade em fazer algo aparentemente tão simples? Por que na já tão cheia agenda das mulheres existe o difícil ritual de desfazer-se das pobres calcinhas? Alguma coisa existe de muito delicado nisto tudo. Só sei que nunca conseguimos juntar calcinhas velhas para jogar fora de uma vez, sempre fazemos isto de uma por uma, ainda que tenhamos as comprado em dúzias. Meio sintomático. Talvez não. Sei que só quem já viveu o drama de desfazer-se de uma calcinha-um-pouco-velha sabe o que significa isto.
Conte-me o que fazes para jogar fora as suas calcinhas-um-pouco-velhas. Você consegue!

Comentários

  1. Kkkkkk. Sibéria, vc é demais. Uma simples conversa virou filosofia. Adorei!!!
    Depois dessa leitura, confesso, fiquei ainda mais insegura: como descartá-las?

    Bjs,
    Tina

    ResponderExcluir
  2. Bonito o texto da profa. Sibéria. Digno de publicação em revistas de entretenimento feminino. Texto ágil, gosto de ler e que encerra "verdades" femininas.
    Parabéns, colega !
    Zé Nilton

    ResponderExcluir
  3. Ameiiiiiiiiii!Como eu gosto de dizer você é realmente minha AMIGA CULTA. Admiro demais a tua arte de escrever. Seus textos são deliciosos de ler.rsrsrs.
    Em tempo:PARABÉNS,pelo concurso do SESC.

    ResponderExcluir
  4. Caracas! Você acredita q eu tbm estava escrevendo um texto sobre o assunto???!!! Calcinha velha é sempre um dilema: Jogar ou não jogar fora? Não sou tão velha, mas sou da época em as mães diziam que pra sair tem q botar uma calcinha direitinha, vai q aconte um acidente! rsrsrs...
    bjs, linda!

    ResponderExcluir
  5. E cá estou eu sem saber o que fazer com um monte de calcinhas velhas nem tanto, mas carregando essa tal intimidade e complicando com a responsabilidade de materiais que certamente agravarão a questão ambiental com o lixo....
    O que eu faço?

    ResponderExcluir
  6. E cá estou eu sem saber o que fazer com um monte de calcinhas velhas nem tanto, mas carregando essa tal intimidade e complicando com a responsabilidade de materiais que certamente agravarão a questão ambiental com o lixo....
    O que eu faço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carrego o mesmo dilema há anos! Quando souber de uma forma ecologicamente correta, compartilha com a gente!

      Excluir
  7. Procurei respostas, encontrei o mesmo dilema.
    Mas o lindo texto traduz exatamente meu sentimento!

    ResponderExcluir
  8. Neste momento estou à procure na internet de algum "tutorial" de como descartar lingeries e eu estava certa de que certamente encontraria a resposta, mas até o momento só encontrei pessoas neste mesmo dilema... (Legal o texto)

    ResponderExcluir
  9. Eu queimo, ou polui o solo ou o ar. Mas o ar, a chuva limpa. Antes apenas cortava o fundo.pra ninguém pegar e usar, agora eu queimo todas.

    ResponderExcluir
  10. Na verdade tenho dó de jogar fora, algumas são tão bonitinhas,quando resolvo jogar fora enrolo no papel higienico ou sacolinha e vai pro lixo do banheiro. Também penso na questão ambiental. Tenho algumas meio velhinhas mas estou relutando jogar fora.

    ResponderExcluir
  11. AMEI !RSS eu sou daquelas que ama langerie e vendo também as mesmas rss então sempre tem alguma peça nova , esse ano já joguei umas 15 fora eram queridas mais precisava de um fim pras novas amigas entrarem ! Eu achava que existia validade de uma calcinha / cueca pelo fato d éter várias bactérias mesmo sendo lavada !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…

Pose para foto

Cada dia tem sido mais difícil escrever alguma coisa no blog. Alguém deve ter reparado. Não. Não é falta de tempo, muito menos de palavras. Eu pensei em deixar de escrever aqui, talvez eu o faça com o passar do tempo. E se até agora eu escrevi é porque a escrita é o que me pega e faz de mim o que quer e também porque sempre adorei diário. Só há um detalhe: o diário era meu. Só meu. E não o que hoje tentamos fazer - Blog, blogar, essa linguagem toda nova. Ai, me senti agora com oitenta anos! Sim, já passaram alguns anos que fui adolescente. Não vou fingir que entrei nessa de blog sem saber, pelo contrário: a minha autoproposta era conseguir me mostrar - o que tem sido a minha vida inteira meu "calcanhar de Aquiles". O que mais me agradou na ideia do blog foi o fato de que as pessoas que o lessem seriam pessoas desconhecidas (presencialmente falando), o que tiraria bastante carga do teor "diário" desta escrita. Mas a verdade, depois dessa fase de tamanha tentativa de…