Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2010

Borboletas?

As Borboletas, quem as desenhou tão belas? Quem pôs motor em suas asas para que voassem nuvens adentro sem nenhuma preocupação com o que venha a ser a filosofia, os homens e as palavras? Quem sabe não guardam em segredo todas as preocupações e perguntas do mundo, que só poderiam caber mesmo na envergadura de suas estranhas e tatuadas asas a bater e voar para distâncias extravagantes? Na sua inconfundível grandeza como conseguem ser delicadas e tão pequenas?
Dias desses tive uma estranha alegria que só um nascimento poderia causar. Vi, com meu filho, uma Borboleta a se livrar breve e grave do casulo que não era mais ela mesma. Agora casulo era uma coisa, Borboleta outra, embora não soubessem antes o que era a vida de um sem tomar a vida do outro. Apartaram-se, não eram mais um. Havia borboleta dentro daquela casa? Haveria algo que não fosse borboleta antes daquilo? Onde está o relógio que diz que é hora de bater as asas e voar e ser borboleta?
Foi uma epifania. Um presente. Uma poesia. N…

DEVANEIOS E POLIVERDADES

Não há verdade única morando dentro dos prismas do que existe, pois existir é ser múltiplo, o que quer que exista: de um dinossauro a uma flor no nosso jardim. O que olhamos não se deixa empobrecer pela unicidade que tentamos imprimir àquilo que vemos. Por felicidade e pela mão divina que trazemos em nós nada será único, de um lado só, porque tudo carece o outro lado, a simetria perfeita ou imperfeita haverá de nos mostrar o lado feminino no homem, o lado arrebatador das enchentes e marés. De momentos de pura inspiração e de sintonia com tudo o que existe extrairemos dos extremos o caminho do meio, aquilo que não se define como dentro ou fora, claro ou escuro, bem ou mal; ao contrário do que imaginamos não procuramos a definição deste ou daquele lado, mas procuramos o que não temos palavras para definir, procuramos o que está entre, na travessia, como observou Guimarães Rosa.
É no caminho do meio, na travessia que escrevi(o) estas palavras, na busca de evitar as classificações exatas, …

RESULTADO DO PRÊMIO SESC DE LITERATURA 2009

RESULTADO DO PRÊMIO SESC DE LITERATURA 2009

>> DESTAQUE Novos talentos revelados

A graça, a leveza e o bom humor de um papagaio erudito e irônico foram os principais e criativos recursos narrativos de Gabriela Guimarães Gazzinelli, de Minas Gerais, para obter o Prêmio SESC de Literatura 2010 na categoria romance. A jovem de 28 anos, com formação em Letras e Filosofia, foi escolhida pela comissão final do concurso, com Prosa de papagaio, dentre 44 romances pré-selecionados pelas subcomissões julgadoras. A comissão final foi formada pelos escritores Ana Miranda e Luiz Ruffato: "O romance mantém o fio narrativo, apresentando uma trama linear, porém com liberdade temática, que se passa no seio de uma família construída dentro de características contemporâneas", afirmam os jurados, no parecer que anuncia o vencedor.

A categoria contos teve como vencedor Sérgio Tavares, de Niterói, Rio de Janeiro. Abordando a imbricação entre loucura e sexo em quatro longos contos, o jornalista…