Pular para o conteúdo principal

Borboletas?



As Borboletas, quem as desenhou tão belas? Quem pôs motor em suas asas para que voassem nuvens adentro sem nenhuma preocupação com o que venha a ser a filosofia, os homens e as palavras? Quem sabe não guardam em segredo todas as preocupações e perguntas do mundo, que só poderiam caber mesmo na envergadura de suas estranhas e tatuadas asas a bater e voar para distâncias extravagantes? Na sua inconfundível grandeza como conseguem ser delicadas e tão pequenas?
Dias desses tive uma estranha alegria que só um nascimento poderia causar. Vi, com meu filho, uma Borboleta a se livrar breve e grave do casulo que não era mais ela mesma. Agora casulo era uma coisa, Borboleta outra, embora não soubessem antes o que era a vida de um sem tomar a vida do outro. Apartaram-se, não eram mais um. Havia borboleta dentro daquela casa? Haveria algo que não fosse borboleta antes daquilo? Onde está o relógio que diz que é hora de bater as asas e voar e ser borboleta?
Foi uma epifania. Um presente. Uma poesia. Não fora um animal que saíra de dentro da casca que a envolvia e insistia, já sem tanta esperança, e com muita saudade, antes de tudo, para que não fosse ser borboleta. Aquilo que vimos voar pela primeira vez era um ser alado, superior. O casulo, um invólucro, uma placenta, uma casca - fazia força para que a sua vida não acabasse ali. Inutilmente lutava contra o fim tão óbvio e tão certo.
E foi tanta a beleza que vira sair de si, que a Borboleta só poderia, a partir daquele momento, voar e ser Borboleta e ser colorida e ser para mim e para o meu filho um fato que presenciamos juntos e que traremos para sempre em nossa memória de mãe e filho: — Você se lembra daquele dia em que vimos nascer uma Borboleta? Nos diremos daqui alguns anos. E não nos deixaremos esquecer que uma borboleta nascera diante de nossos, talvez, imerecidos sentidos.
Ela ensaiava um bater de asas confuso que mais nos parecia um choro e depois de um choro, a única solução é nascer. E seu nascimento foi também nosso, pois que estamos a nascer e também a morrer a todo instante. Morreu a parte que em nós era virgem da experiência de ver uma Borboleta voar pela primeira vez, nasceu em nós aquela inolvidável imagem, nasceu em cada um de nós alguém que presenciou um feito extraordinário da natureza, não do acaso.
Linda, grave, silenciosa, e ao mesmo tempo ruidosa, lá se foi. Pura, merecendo receber outro nome, já que era tão singular. Suspiro. Escreva Borboleta com letra maiúscula. Se for púrpura, ajoelhe-se ao avistar uma.

Comentários

  1. "No mistério do sem-fim equilibra-se um planeta. E no planeta um jardim e no jardim um canteiro no canteiro uma violeta e sobre ela o dia inteiro entre o planeta e o sem-fim a asa de uma borboleta."

    Cecília Meireles

    ResponderExcluir
  2. Oi, querida. Achei seu blog pq tentei o mesmo nome para o meu, daí fiquei curiosa.
    Adorei o texto, parabéns! E estarei sempre por aki!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. "nasceu em cada um de nós alguém que presenciou um feito extraordinário da natureza, não do acaso."

    Belíssimo...o deabrochar da borboleta é mesmo fascinante!

    O livro está pronto querida, vou postanto...já cansei do mercado editorial...acredito na publicação virtual, afinal de contas, quem, além do P.Coelho&afins vive de literarura nesse país? Já não tenho essa pretenção...

    um beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…

Pose para foto

Cada dia tem sido mais difícil escrever alguma coisa no blog. Alguém deve ter reparado. Não. Não é falta de tempo, muito menos de palavras. Eu pensei em deixar de escrever aqui, talvez eu o faça com o passar do tempo. E se até agora eu escrevi é porque a escrita é o que me pega e faz de mim o que quer e também porque sempre adorei diário. Só há um detalhe: o diário era meu. Só meu. E não o que hoje tentamos fazer - Blog, blogar, essa linguagem toda nova. Ai, me senti agora com oitenta anos! Sim, já passaram alguns anos que fui adolescente. Não vou fingir que entrei nessa de blog sem saber, pelo contrário: a minha autoproposta era conseguir me mostrar - o que tem sido a minha vida inteira meu "calcanhar de Aquiles". O que mais me agradou na ideia do blog foi o fato de que as pessoas que o lessem seriam pessoas desconhecidas (presencialmente falando), o que tiraria bastante carga do teor "diário" desta escrita. Mas a verdade, depois dessa fase de tamanha tentativa de…