Pular para o conteúdo principal

SINAIS DE QUE ESTAMOS ENVELHECENDO

Estão fazendo “remake” de tudo que marcou um tempo que até hoje você não sabia que havia passado: das roupas, dos acessórios, das bandas, das novelas, das cores, dos carros... Obviamente você detesta alguns, principalmente os das bandas e diz: “Nunca mais um Cazuza!”, “Nunca mais um Renato Russo”... e muitos garotos(as) de 15 anos olham pra você e dizem: “Quem?”. Bem, a música é por onde eu gostaria de começar porque sou uma criatura muito musical, mas, mesmo assim, não sei se estou ficando exigente demais (ou rabugenta mesmo), mas tenho pouca paciência para ouvir músicas novas. Parei no tempo, quase totalmente, no sentido musical. 90% das músicas que ouço hoje são as mesmas que ouvia há dez, quinze anos. (Outra mania de adulto: ficar apontado porcentagens... um saco!) Como nossos pais, achamos que todas as “bandinhas” (e assim fazemos questão de chamá-las) são iguais. Que Restart, Jonas Brothers, RBD, Justin Bieber, NX Zero, são a mesma coisa. Achismo que pode nos custar o rótulo de “cego” ou “careta”, ou podemos ouvir assim: “e aquelas velharias que você gosta?”. Well, well, well... Continuo achando que nunca mais um Cazuza, mas, desconfio agora que era mesmo difícil para meus pais identificar se eu ouvia Cazuza ou Renato Russo ou Capital Inicial ou Barão Vermelho ou Paralamas do Sucesso – friso: para eles, não para mim. Isso me ajuda a não ser chata com meus sobrinhos. Sobrinhos! Gente, eu tenho sobrinhos maiores que eu!!!! Help!!! Sabem fazer tudo: nadam, estudam, discutem sobre filmes, música até política! Fico de cabelo em pé quando eles sentam comigo pra tomar café. Café!!!! Outra coisa de gente grande. Comecei a perceber que o tempo passava quando comecei a ficar louca por aquele cafezinho... Quando ofereci café ao meu filho (hoje com cinco, mas na época, com três) ele diz: “Café!?”, como se quisesse dizer: “Café é coisa de gente velha!”. Entendi isso mesmo ou é só maldade minha? Voltando à música: Lady Gaga é a reencarnação da Madonna. Verdade. Eu até gosto! “Ale-ale-jandro, ale-ale-jandro”... Rsrsrsrs Nem tudo é reclamação pra quem beira os trinta. É mais descoberta e visão. Principalmente visão do que meus pais viveram quando eu era adolescente... como o sapato deles me cabe agora! Vou tentando não envelhecer: comprei mp4, fiz um blog (só não Orkut, ainda), pus Bow vow Power, Pump it, no mp4 (vou consultar minha sobrinha se eles já estão over),... ai, inglês é uma coisa que me faz sentir tão jovem! O engraçado é que sempre quis parecer mais velha, hoje não. E isso me faz jovem: mudar de idéia. Menino! Tá a maior moda de roupas oitentinhas, já tenho algumas peças... Mas o que chama atenção novamente é a reedição. Já estão fazendo reedição das roupas que eu usei (ou quis usar) quando assistia Barrados no Baile. Barrados no baile! Dia desses vi os atores em fotos de antes e depois, (típica demonstração de que o tempo está passando), meu Deus (!), o tempo passa mesmo! Minhas fotos “antigas” são tão diferentes das de agora! Assim como é diferente a minha vontade de fotografar. Fotografar está se tornando tão chato... sempre há algo errado e é preciso muito esforço, maquiagem e atuação pra tirar uma foto. É tudo tão sutil, que de repente casamos, temos filhos, temos um trabalho, temos o primeiro fio branco – do nada. Assim. Você não sente mais a vital vontade de ir aos shows. O mundo não vai se acabar se Adriana Calcanhotto vem à sua cidade e você não vai ao show. Eu não fui. Não porque tenha por ela se acabado todo meu amor, mas porque eu estava cansadona. Inadmissível! Como alguém pode estar cansado para ela? Pois é, não fui. E estou tranqüila porque, como o “mundo não se acabou”, posso ir outra vez. Coisa de adulto: deixar as coisas pra amanhã........ Amanhã, quem sabe, seja vital comprar ingressos e tênis, conversar com os amigos, passar o dia no MSN, brigar com os pais, fazer chantagem, motins, comprar aquele cd, ir ao cinema, de modo que seja impossível esperar. É hoje e pronto. Vou bater o pé e me trancar no quarto e dizer: “ninguém me entende!”. Talvez faça a festa do pijama e aprenda a coreografia inteira da Lady Gaga e compre os chicletes que nunca masquei e coma todas as porcarias que fazem mal, como uma tentativa estúpida e inútil de adolescer de novo. Sinal de que estou envelhecendo são principalmente um de fazer um texto sobre o que observo dos jovens, de como eles são e, terceirizando o discurso, me distanciando deles o mais que posso. Mas não quero. Que fique claro, não quero.

Comentários

  1. Que ótumo esse texto! E que coincidência eu ter escrito sobre o tempo ontem! rsrs...

    Como dizem por aí, o tempo passa para todos, querida. Eu fico louca quando olho meu irmãozinho e vejo que ele está muito maior q eu! Quando eu vejo homens e mulheres que peguei no colo, que batizei... Ai, Céus... Mas acho que amadurecer (q é diferente de envelhecer) tem lá seu valor. Dizem, que principalmente pra mulher, muita coisa melhora depois dos 30. Tomara!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Puxa vida, Sibéria, você sempre mexendo com o meu emocional, viajei enquando lia este texto, eu tb costumo me atualizar com os meus sobrinhos e filha, Justin Bieber, Lady Gaga, Hannan Montana rsrsrs...Com dizia Cazuza O tmpo não para, beijos.
    Ah! estou no Juazeiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…

Pose para foto

Cada dia tem sido mais difícil escrever alguma coisa no blog. Alguém deve ter reparado. Não. Não é falta de tempo, muito menos de palavras. Eu pensei em deixar de escrever aqui, talvez eu o faça com o passar do tempo. E se até agora eu escrevi é porque a escrita é o que me pega e faz de mim o que quer e também porque sempre adorei diário. Só há um detalhe: o diário era meu. Só meu. E não o que hoje tentamos fazer - Blog, blogar, essa linguagem toda nova. Ai, me senti agora com oitenta anos! Sim, já passaram alguns anos que fui adolescente. Não vou fingir que entrei nessa de blog sem saber, pelo contrário: a minha autoproposta era conseguir me mostrar - o que tem sido a minha vida inteira meu "calcanhar de Aquiles". O que mais me agradou na ideia do blog foi o fato de que as pessoas que o lessem seriam pessoas desconhecidas (presencialmente falando), o que tiraria bastante carga do teor "diário" desta escrita. Mas a verdade, depois dessa fase de tamanha tentativa de…