Pular para o conteúdo principal

Minha desordem mental

Minha cabeça não é muito boa. Ela me engana a qualquer deslize, a qualquer tempo em que preciso de juízo. Minha cabeça me faz passar vexames por não dar conta de que dia ou hora é hoje ou ontem ou amanhã. Ela não está preparada, e talvez nunca estará, para a vida prática, de ajuntamentos de informações e dados ou datas, sempre elas, as datas... a se desencontrar de mim. Nela, na minha cabeça, esqueci (ou esqueceram, não sei) de marcar os dias das coisas e, assim, me esforço quase heroicamente para responder que dia é hoje? Quando é tal dia? Quando foi o último feriado? Quando... quando... quando... é tanto quando interrogado na minha vida, que me dá uma agonia. Eu vivo num branco, aonde minha cabeça me levou e leva. Sem saber me preocupar que dia será o fim do mês, do gás, da luz, da água ou do telefone. Sou uma irresponsável sem causa e sem chance de cura, mas com sofrimento. Eu sofro quando a enxurrada me atinge em cheio, impiedosa vida que me cobra o que minha mente não alcança. Minha cabeça brigou com meu coração. E meu corpo só atende à (des)razão  da minha desordem mental. Minhas pernas e braços não atendem meu coração que quer cuidar, que quer ir aonde sou chamada a estar. Um dia achará minha cabeça a corresponder os (des)mandos do meu coração? E ordenará ao meu corpo inteiro a saber que dia é hoje? Que hoje é dia de vacinar Dora. Que hoje é dia de pagar o telefone. Que hoje é dia de matricular as crianças. Que hoje é dia de levar a câmera do conserto. Que hoje é dia de estar pronta às 6:30 e de ir não sei para onde, para o raio que me parta, mas para algum lugar que já agora minha cabeça não me permite saber... Hoje é dia de lavar as fardas das crianças, de comprar suas frutas, de fazer planos e depois, fatalmente, esquecê-los todos e deixar todos para outro dia, que fogem ao calendário racional, que se junta a tantos outros pontos de interrogação pela vida futura e incerta. Sim, mas que dia é hoje mesmo?

Comentários

  1. Ih, amiga, se há sofrimento na desordem mental, e digo de cátedra, que também há no excesso de ordem da mente que sabe o dia e a hora pra tudo, e que quer comandar e atender a todos esses mandados.
    Acho que o desmando determina mais leveza, continue assim: leve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Amanda. Você é uma amiga muito atenciosa e dedicada, com desordem ou com ordem, amo-te muito!

      Excluir
  2. Muito bom texto, li várias vezes ;]

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…