Pular para o conteúdo principal

Num tem mais matuto, não!

Matutos do mundo todo, encangai-vos!

(Por Sibéria de Menezes)

Não se engane, cosmopolita vindo de qualquer lugar, vez por outra, seremos capazes de uma incrível “matutagem”. Desobrigue-se de saber de tudo, bichim. Eu sou dada, naturalmente, a atitudes bem matutas: parar em frente a escadas rolantes pensando se arrisco-me ou não, olhar como os outros se comportam no McDonald's, achar esse negócio de fast food uma coisa horrível de se comer... entre outras atitudes e gostos.
Pois bem, estava eu (e minha irmã) no Parque de Exposição do Crato, no ano passado (2012), me achando quase uma nova iorquina, comprando um centro de madeira lindo para a minha casa. Eis que... percebi que não havia levado o tal do cartão de crédito. No seu lugar, só aquele cartão que costumo de chamar “cartão de tirar o dinheiro do banco”. E agora? Com aquela astúcia que só coube a mim, tive imediatamente a seguinte ideia (detalhe, em pleno meio-dia): “Vou ao banco, faço um saque e volto para comprar a mesinha, viu, moça? Separe aí que volto já com o dinheiro”.
Sem querer ser desagradável, a moça dirigiu para mim uma expressão que só se faz frente a um matuto, um misto de pena com uma vontade desgraçada de rir. Me falou, tentando confirmar o cartão que já vira em minha mão: “Você está com o cartão aí?”. E eu: “Naturalmente, volto já já, viu?”. Ela, então, começou a entender o que estava acontecendo e, claro, começou a rir também. “Pois me dê aqui que eu passo o cartão no débito”. E eu insistia: “Não, esse meu cartão não passa não – é só para uso no banco.” A essa altura, minha irmã já estava fingindo que não me conhecia e assoviando, olhando outras coisas no estande. Mas aí, o sangue falou mais alto e ela resolveu me tirar da saia justa: “Entrega logo esse cartão, mulher”... sussurrou, rindo para a vendedora e entregando-lhe, sorrateiramente o meu “cartão do banco”.
Peço perdão, agora, aos matutos: não foi matutagem não, foi leseira mesmo! Há dez anos eu tinha o tal do cartão, no qual está escrito: “débito”. Eu lá ia saber o que significava isso? Sei que jamais o havia usado para este fim – fazer compras. Nesse momento de epifania, a moça e minha irmã, às gargalhadas me passavam a maquineta para que eu digitasse a senha. Ao que, só eu mesma, poderia perguntar uma coisa assim: “Eu digito qual senha? A mesma que eu uso no banco?”. Acredito que é por isso que seu Lunga existe, para o povo deixar de ser burro e perguntar besteira. Definitivamente, minha irmã, me deu o beliscão que eu precisava para acordar: “Mas é claro! Digite logo essa senha, leseira, e vamos embora daqui!!!” E como matuto que é matuto mesmo morre de medo de “se passar”, digitei a senha e jamais pude esquecer – tal cartão também faz compras, o danado! Mas, confesso, nunca mais quis usá-lo com medo de que alguma coisa dar errado.
Veja bem, se você já passou por uma dessas (o que duvido um tantinho assim), não se preocupe, faça cara de que foi tudo uma brincadeira, não dê desculpas (isso é MUITO importante!!!) e vá ser matuto assim Brasil afora.

Comentários

  1. Kkkk. Não duvide, Siberia. Ja passei por isso, amos usando o cartao so pra sacar diretamente no caixa. Matuta, do interior de Baixo Guandu. Kkkkk bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…