Pular para o conteúdo principal

UM SIM PARA/COM MEUS FILHOS




Por Sibéria de Menezes Carvalho

Chegando em casa, minha Marina (1ano e 5 meses) respondeu a uma pergunta que eu fiz com um sim, balançando a cabecinha pra cima e pra baixo, com um alto grau de concentração e certeza do que estava dizendo – e, claro, com um esnobismo de quem sabe o quanto eu estava impressionada com aquilo.
Bem, corujices de lado, fiquei reflexiva depois. Até agora só sabia a pequena dizer não: de formas variadas, até.  Pensei no quão é importante que os filhos aprendam, sempre, não só com a gente (os pais), mas com o mundo.  E fiquei me perguntando: por que só a ensinei a dizer não? Essa questão mexeu comigo. E é bom que mexa. O que mora em mim como indivíduo e como mãe que está tão preocupado em negar (ou se negar)? Óbvio que há os nãos fundamentais nessa fase: tomada, não; chão molhado, não; subir, não; botar na boca, não. Por outro lado, será nosso papel dizer não o tempo todo? Por que não atirar o controle remoto ao chão algumas vezes ao dia? Por que não derramar todos os brinquedos da caixa de uma vez? Por que não subir no sofá de quando em vez? Por que não deixar chorar até cansar? Por que não doces e guloseimas?
A infância é um território sagrado. É, de longe, o lugar onde a fantasia deixa a realidade a comer poeira. É o paraíso que vamos perdendo aos poucos. Tão de leve, tão de leve que quando percebemos, já somos capazes de dizer que já não somos crianças. E lá somos tão felizes que não sabemos que somos; é a felicidade em estado puro; quando sequer nos damos conta de que somos felizes. Nem nos importamos se a brincadeira está perto de acabar. Queremos apenas brincar e quando chegar a hora de parar, apenas caímos no choro e dormimos e amanhã não teremos medo de brincar de novo.
Sim, filhos, comam algumas porcarias de vez em quando, sujem a casa quando chegarem, baguncem o quarto sem nenhuma responsabilidade, fiquem sem as principais refeições... mas só algumas vezes. Só enquanto um sim dá sentido aos nãos. Só enquanto uma coisa equilibra a outra. Só por enquanto. Momentos em que de tão crianças, tão-somente desejam abraços, beijinhos, correr, suar, despentear-se, sem jamais se preocuparem com coisa alguma. Haverá o tempo disso: do horário, da responsabilidade, da rigidez. Como há agora o tempo de agora.
Crianças que me ensinam o poder do sim, balançando a cabecinha pra cima e pra baixo, me perguntando o porque de tantas coisas, de ficar quieto, de ficar calado... com reivindicações e afirmações do tipo: “não posso fazer nada que quero!!!!”; obrigada por me dizerem SIM.

Comentários

  1. Impressiona-me, quando leio suas crônicas, e fico pensando: Quem se sobressai- a cronista ou a contista ? Acho que as duas. PARABÉNS e continue nos deliciando com o nosso cotidiano que, de tão simples e óbvio, muitas vezes , deixa de ser matéria literária. F.Queiróz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…