Pular para o conteúdo principal

Um bolo feito em casa


Por: Sibéria de Menezes Carvalho

Dia desses ouvi a expressão “um bolo em cima da mesa faz de uma casa um lar”. Depende. Depende do caminho que o bolo fez até chegar à mesa. Não desmerecendo as padarias maravilhosas de nossa preferência. Agora, um bolo feito no calor das nossas casas, a quatro, seis, oito mãos, é um bem precioso. É o encontro, a partilha, a comunhão.
A cozinha é o termômetro das relações familiares e do coração. Pelo menos da minha é. Cozinha cheia é sinal de festa. Quente, aromática, cheia de cores. Quando vou cozinhar é porque estou bem. A alquimia verdadeira acontece nesse espaço: onde farinha, leite e outros ingredientes viram um bolo, viram carinho, expressão de amor e união.
Sinto-me feliz quando meu filho, pequeno, junto a mim, conversa sobre a vida, o dia a dia, as suas aspirações; entre uma e outra pincelada de manteiga na forma. E me pergunta de que é feita a manteiga e de que são feitas as mães. Alegra-me a caçulinha ensaiando as primeiras palavras, diz “tente”, referindo-se ao forno “quente”.
Farinha na mesa, pingos de leite no chão, açúcar e afeto espalham-se sem ordem alguma na cozinha e pela casa inteira. Meu marido apanha a forma no armário, conversa sobre os nossos filhos, verifica a hora da entrada do bolo no forno, divide comigo um café e a sua vida. Nós quatro, barulho na casa – ali tem vida! Os filhos impacientam-se pelo bolo que parece jamais vai esfriar, mas logo partem para outra empreitada. Lavo a louça de coração manso e o cheiro de bolo está no ar. Meu marido põe a mesa, enfim está pronto, esfria um pouco e eis que o fruto do trabalho e do prazer de realizarmos algo juntos. Definitivamente, um bolo desses não se compra.
Bagunça das boas! Especial. Colheres, tigelas, mesa, pia... do chão ao teto há farinha e gente feliz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…