Pular para o conteúdo principal

A BOLSA E A VIDA

É bem possível traçar o horóscopo de uma mulher, ou até mesmo fazer-lhe um mapa astral, ou um profundo estudo sobre sua personalidade a partir da leitura da sua bolsa. Prá mim é bem mais eficiente do que a leitura da mão...
Agora, saindo um pouco do geral, falo de mim. A minha bolsa me diz tudo sobre os meus momentos, e sempre que a organizo fico muito reflexiva. Isso é bom, a reflexão fazendo o caminho contrário, deixando de me atrapalhar quando quero agir... vindo depois da ação, depois do fato consumado. Eu nunca penso: “Hoje vou arrumar a bolsa!” Simplesmente a abro e mergulho na sua/minha história recente, geralmente das últimas semanas. Considero-me uma pessoa desligada, não lembro direito das coisas, de quando aconteceram se faz um, dois ou mais dias que aconteceram... com muita sorte sei (às vezes) que não foi hoje.
Bem, voltando à bolsa: encontro tickets, cupons fiscais, guias de cartão de crédito, propagandas... coisas que podem e outras que não podem ir para o lixo. Numa bolsa há espaço pra tudo: economia, relações-públicas (e privadas, é claro), papelaria, cosmética, documentos (que tentam dizer quem você é...), religiosidade, literatura, alimentação... – uma bolsa pode ser um fardo na sua vida, a prova do seu apego a algumas coisas ou a sua grande e silenciosa companhia. O quanto estiver bagunçada, sua vida assim também estará – e, nesse caso, parece que o mundo começa na sua bolsa e parece que num passe de mágica (ou de zíper) todos os problemas do mundo se acabarão. Agora, já que existe essa sentença, também é verdadeiro dizer que você, que não consegue controlar a bagunça da sua própria bolsa de uma vez por todas, imagine definir todas as coisas do mundo. Um paradoxo né? É humanamente possível organizar a bolsa e sua vida, mas é humanamente impossível que essa organização dure para sempre. É preciso um lixinho de vez em quando dentro da bolsa para depois encontrar total prazer em arrumá-la, dando-lhe (a você) uma sensação especial de pura onipotência: Eu posso mudar as coisas. Eu posso me olhar e me ver: se tenho comido demais, se tenho gastado dinheiro demais, se tenho me maquiado de menos, se meu batom está vencido, se carrego o que não devo e se estou sempre a esquecer coisas importantes e gastando esse mesmo espaço com aquilo que menos me interessa. Observo se perco coisas demais, se o celular está querendo carga, se as canetas estão falhando, se levo itens repetidos, se tenho esquecido o espelho para não me ver, ou as chaves, para não abrir aquele armário que prende a minha bolsa com toda a minha vida dentro: meus filhos, meu marido, meus pais, meus livros... e tantas outras palavras!

Comentários

  1. A minha bolsa vive me dizendo o quanto eu sou desorganizada. Vivo trocando de bolsa (e talvez de vida???)e nunca repasso tudo de uma pra outra, e quando retorno à antiga, redescubro um monte acontecimentos que ficaram para trás.

    Mulheres e suas bolsas...

    Só temos que tomar cuidado para não carregarmos coisas demais e caminharmos curvadas pelas ruas, tamanho o peso carregados ao ombro.

    Bjs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…

Pose para foto

Cada dia tem sido mais difícil escrever alguma coisa no blog. Alguém deve ter reparado. Não. Não é falta de tempo, muito menos de palavras. Eu pensei em deixar de escrever aqui, talvez eu o faça com o passar do tempo. E se até agora eu escrevi é porque a escrita é o que me pega e faz de mim o que quer e também porque sempre adorei diário. Só há um detalhe: o diário era meu. Só meu. E não o que hoje tentamos fazer - Blog, blogar, essa linguagem toda nova. Ai, me senti agora com oitenta anos! Sim, já passaram alguns anos que fui adolescente. Não vou fingir que entrei nessa de blog sem saber, pelo contrário: a minha autoproposta era conseguir me mostrar - o que tem sido a minha vida inteira meu "calcanhar de Aquiles". O que mais me agradou na ideia do blog foi o fato de que as pessoas que o lessem seriam pessoas desconhecidas (presencialmente falando), o que tiraria bastante carga do teor "diário" desta escrita. Mas a verdade, depois dessa fase de tamanha tentativa de…