Pular para o conteúdo principal

AS ÁRVORES DA VIDA



Porque há várias árvores na nossa estrada...


Na escola onde eu trabalho há uma imensa árvore no quintal. Um pé de timbaúba. É outono e recebi uma chuva de folhas de presente dessa árvore. Que sensação deliciosa em todos os meus sentidos! Folhas miúdas rezavam graciosamente sobre a minha pele me protegendo de todos os perigos dessa vida. Por mais que aproveitasse o momento, e talvez por isso, não pude pensar o que me levou a sentir de maneira tão intensa aquela chuva.
Passaram-se alguns dias e, de súbito, fui pega pela imagem relampejante das árvores da minha vida. Da infância, da mais precoce delas. Do pote de lembranças que muitas vezes me pergunto se é imaginação ou realidade, eis que me aparecem três árvores. A primeira, um pé de coco no quintal, depois dos três degraus da cozinha, ao lado da lavanderia. A segunda, um pé de oiti que não vimos crescer até o seu limite, que ficava em frente a minha casa, do outro lado da rua. A terceira, um pé de castanhola – alguém lembra o que é um pé de castanhola? Esse ficava na calçada de doutor Bode, recebendo quem vinha da rua debaixo, chegando-se a nossa rua. Era um triângulo perfeito, formado por três árvores, que, em diferentes tempos acompanharam a história de três meninas – minhas duas irmãs e eu.
Nosso imaginário está cheio de árvores – da Vida, do Conhecimento, a simbologia de algumas árvores, como a oliveira, que alguns crêem, representa o próprio Deus. Só para citar algumas. Há também o dizer de que o homem deve plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho. Bom, o fato é que de mais a mais deixamos passar em branco as árvores ao nosso redor, como se transparentes fossem. E a verdade é que as árvores , essas árvores das quais lembro nesse instante, protegiam-me da vida cinza e me alegraram de formas diferentes.
O pé de coco fez muita gente rir, quando eu ainda aprendendo a falar dizia que na minha casa tinha um pé jicoco e, quando comecei a escrever, escrevia pé ji coco. O pé de coco foi um dos motivos de escrita na minha primeira escola. De qualquer forma, eu sentia-me muito feliz pela presença dele no minúsculo quintal. Um alívio para a vista, um verde que refrescava como a água que ele produzia.
O pé de castanhola, com suas folhas grandes, rendia brincadeiras com a meninada da rua. A gente brincava com folhas, imaginando para elas outras coisas: toalha de boneca, chapéu de marinheiro, leques finíssimos, roupa da cama da boneca. Era muita criatividade no ar! E tinha mais: comíamos castanholas escondidos, porque os pais diziam que era quente, que “ofendia”. Uma beleza! Não sei se eram bons pelo gosto ou pela transgressão. Mas a lembrança que tenho é deliciosa. Tem gosto de gente pequena, sem juízo e sem medo.
O pé de oiti, justamente o que ficava bem em frente a minha casa, do lado oposto, foi uma causa de muita disputa de vizinhança. Meu pai plantou a tal árvore, depois mudou-se para lá outro vizinho e queria porque queria até enfim conseguir matar a pobre planta. Meu pai morreu de desgosto. Afinal, ela era cria dele, não deixava de ser. Mas já era grande, não imenso, como naturalmente são. Porém, sua sombra era imensa. E jamais a bela promessa de árvore deu frutos.
A primeira e a última citadas não tiveram vida longa. Mas duraram toda a minha infância. A segunda ainda hoje está lá, firme, forte e cheia de memória! Nem sei dizer se as crianças que lá vivem querem saber e provar o “tal fruto proibido”. Quem sabe? Sei, se é que existem coincidências, que enquanto morávamos nós três lá, as três árvores estavam de pé e agora são apenas uma amorosa lembrança.
Nos acompanham hoje árvores diferentes, testemunhando nossas crianças que crescem, cheias de vida e imaginação. Árvores que testemunham nossa vida adulta e, por que não dizer, de descobertas?

A árvore do quintal chove. E meus olhos também. Agradeço por ter em meu favor e caminhos árvores sempre. Gentis, generosas, que me dão sombra, oxigênio e, muitas vezes fruto, sem me perguntar quem sou.

Comentários

  1. Lindo, Sibéria... parece que estou lendo Rubens Alves...
    Posso ler para meus alunos em sala de aula?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, Paula! E muito agradeço pelo seu comentário. Beijo

      Excluir
    2. Claro, Paula! E muito agradeço pelo seu comentário. Beijo

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…

Pose para foto

Cada dia tem sido mais difícil escrever alguma coisa no blog. Alguém deve ter reparado. Não. Não é falta de tempo, muito menos de palavras. Eu pensei em deixar de escrever aqui, talvez eu o faça com o passar do tempo. E se até agora eu escrevi é porque a escrita é o que me pega e faz de mim o que quer e também porque sempre adorei diário. Só há um detalhe: o diário era meu. Só meu. E não o que hoje tentamos fazer - Blog, blogar, essa linguagem toda nova. Ai, me senti agora com oitenta anos! Sim, já passaram alguns anos que fui adolescente. Não vou fingir que entrei nessa de blog sem saber, pelo contrário: a minha autoproposta era conseguir me mostrar - o que tem sido a minha vida inteira meu "calcanhar de Aquiles". O que mais me agradou na ideia do blog foi o fato de que as pessoas que o lessem seriam pessoas desconhecidas (presencialmente falando), o que tiraria bastante carga do teor "diário" desta escrita. Mas a verdade, depois dessa fase de tamanha tentativa de…