Pular para o conteúdo principal

À procura do meu momento Susan Boile

A literatura está repleta de momentos-cisne, da descoberta de um dom, talento ou beleza especial. Agora, em tempos de you tube, o mundo ficou sabendo da beleza de um momento como aquele citado acima: alguém descobriu a que veio a este mundo. Com isto sentir-se confortável é o mínimo que se pode alcançar.
Não se trata apenas de ter uma posição de destaque, de reconhecimento, já que isto é inevitável no percurso de quem sabe o que quer. Há nesse mundo gente que quer pedalar, cozinhar, limpar, voar, dançar, pintar, curar, subir, cair, atuar... só que antes de qualquer desses verbos, há o verbo querer. Trata-se, sim, justamente dessa certeza, desse foco, de saber querer o que se procura. Um querer é perseguido ao mesmo tempo que nos persegue. O que aconteceu à Susan agora é só sabido por uma multidão de fãs, mas, creio que fosse o que fosse, fizesse o que fizesse da vida, Susan abriria sua boca para cantar, com a mesma realeza. Varrendo chão, ninando crianças, cozinhando, embaixo do chuveiro... porque, mesmo que não queiramos, Susan já existia até chegar aos nossos olhos e ouvidos.
Não posso esperar que os outros encontrem em mim algo que nem eu ainda construí ou percebi no meu ser. Não posso esperar pelas palmas para começar a existir. Assim como Susan não esperou inscrever-se num concurso para começar a cantar.
Que querer e vontades me perseguem desde que me dou por gente? Por onde eu andei que ainda não olhei pra mim mesma? Por que fiz do outro sujeito e de mim o outro? Mas, agora, a pior pergunta pode surgir: por que viver a vida inteira de fora pra dentro, ou mais difícil ainda: como aprender a viver de dentro pra fora?
Entendo o momento-cisne como algo mais do que ser belo entre outros. A este momento entendo como se perceber no seu mais essencial ser. Na alegria de se perceber é onde reside o belo. Porque deve existir em nós algo tão peculiar e forte que não vai se perder com o passar do tempo, com as alterações do espaço, da moda, das influências filosóficas e nem com o próprio acaso. Encontrar essa essência é se saber, no mais profundo significado disto.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS-UM-POUCO-VELHAS

LIVRANDO-SE DE CALCINHAS “UM POUCO VELHAS”

“Sujo atrás da orelha,
Bigode de groselha,
Calcinha um pouco velha
Ela não tem” (Chico Buarque/Edu Lobo. Ciranda da Bailarina)

A partir desses versinhos, lindamente interpretados por Adriana Partimpim (heterônimo da Adriana Calcanhoto para crianças), surgiu, numa roda de meninas-não-bailarinas, onde, felizmente, eu estava, um assunto que me chamou atenção. “Isto merece um texto!”. Ei-lo! A pergunta é a seguinte: o que fazer com calcinhas velhas? Daquelas mesmo que estás pensando nessa sua cabecinha, aquelas... que todas nós tivemos, temos e teremos, em algum momento da vida – se Deus quiser! Calcinhas um pouco velhas sempre estarão nas nossas gavetas. E como teremos rituais e alguma dificuldade para jogá-las fora!
Conversa vai, conversa vem... fui ouvindo depoimentos tão curiosos que me arrepiei ao pensar no quanto estávamos desfrutando de tamanha intimidade naquele momento. Eu também tive a minha hora de confessar o que costumava fazer com as c…

A DOR DO OUTRO

Por Sibéria de Menezes
É comum afirmar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aí o outro é paragem e delícia. Mas há um outro. Outro que ignoramos, outro a quem queremos ainda mais mal. O outro por quem não nos compadecemos. Por quem não exercemos compaixão: aquele que sofre. Aquele que carrega uma dor. Porque a dor do outro não é desejada como é a grama do outro. Porque a dor é um substantivo abstrato. Porque precisamos sentir para saber dimensionar a dor.
Para quem já sentiu uma dor, qualquer delas, talvez seja um pouco mais fácil colocar-se no lugar do outro. Há, porém, o esquecimento da dor. Há quem mesmo tendo passado por experiência semelhante a do outro, ainda o julgue, ainda ridicularize a dor pela qual o outro passa.
(Com)paixão, capacidade de sofrer a dor do outro, dimensionar a dor do outro, entender que o outro precisa de suporte. É mais que o ato de (com)padecer-se do outro, porque a compaixão deve ir além do lamento e da contemplação da dor alheia.
Cristo pregou em todo…